Conube

Conube


dezembro 2016
D S T Q Q S S
« nov.    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Categorias


Operação 6%, da Receita Federal, investiga sonegação de Corretores de Imóveis

José Carlos R. JúniorJosé Carlos R. Júnior

No último mês de abril, a Receita Federal anunciou uma ação que tem como objetivo apertar o cerco com relação à fiscalização das declarações dos valores que os corretores de imóveis recebem. Chamada de Operação 6%, a iniciativa visa combater a sonegação de impostos por parte dos contribuintes na cidade de São Paulo.

Coordenada pela DERPF (Delegacia Especial da Receita Federal do Brasil de Pessoas Físicas), a operação 6% faz, em seu nome, uma referência ao percentual de corretagem que os contribuintes teriam recebido e não declararam. Segundo estimativas divulgadas pelo órgão, as autuações podem chegar até a R$ 15 milhões.

De acordo com a Receita Federal, neste primeiro momento o alvo são os corretores de imóveis que declararam rendas incompatíveis com as operações financeiras e patrimoniais que realizaram. Ao longo do ano, a ideia é que novas ações semelhantes possam ser realizadas, mas voltadas também a outros profissionais liberais, como médicos, engenheiros, advogados e arquitetos.

Solução é se formalizar e não ser alvo da Operação 6%

corretores-de-imoveis-empresaCom o aumento do rigor da fiscalização da Receita Federal aos corretores de imóveis, através de Operação 6% e de outras ações que visam coibir a sonegação de impostos, a necessidade de se formalizar ganha cada vez mais importância.

Ao abrir empresa, o corretor também pode desfrutar de inúmeras vantagens, como facilidade para tirar vistos, compra de carros mais baratos, descontos em planos de saúde, entre outras facilidades.

Corretores podem se enquadrar no Simples Nacional

Desde agosto de 2014, a corretagem de imóveis, assim como outras mais de 140 atividades, passou a ser enquadrada no novo teto de tributação de empreendedores no regime Simples Nacional, sistema diferenciado para as micro e pequenas empresas, que unifica o pagamento de diversos impostos. Os corretores de seguros podem ser inseridos na Tabela do Anexo III, muito mais favorável e menos onerosa do que o Anexo VI.

tabela-economia-de-impostosAtualmente, há uma agilidade muito grande na abertura de empresas. Além das facilidades no processo e das vantagens de se formalizar, pode haver uma significativa economia de impostos. Hoje, o corretor autônomo paga cerca de 30% em impostos sobre seu faturamento. No Simples Nacional, sua tributação será entre 6% (para faturamento anual de até R$ 180 mil) e, no máximo, 17,42% (faturamento até R$ 3,6 milhões por ano).

Consulte a Conube

A Conube Contabilidade Online está estimulando a formalização dos corretores de imóveis e tem condições especiais para a categoria. Os clientes podem abrir empresa, desfrutar de todas as vantagens, estar em dia com o fisco e ainda economizar em impostos.

Quer abrir sua empresa agora mesmo?

Clique aqui para começar agora!

Ainda tem dúvidas? Acesse conube.com.br e saiba mais.

José Carlos R. Júnior é jornalista, redator e revisor de textos. Trazendo uma experiência de mais de 10 anos gerenciando editorias em diversas mídias online e impressas, é hoje o responsável pela gestão de conteúdos e de comunicação da Conube.

Comments 3