Conube

Conube


dezembro 2016
D S T Q Q S S
« nov.    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Categorias


Vantagens das dívidas conversíveis como opção de investimento

Anderson FeitosaAnderson Feitosa

Para entender as vantagens das dívidas conversíveis, é necessário voltar um pouco no tempo e observar todo o histórico de uma startup crescendo, começando a andar com as próprias pernas e se tornando um case de sucesso. Quando vemos isso, podemos ter a certeza de que o caminho até ali foi árduo, de muito trabalho e dedicação. Mas, além de tudo isso, as histórias vitoriosas quase sempre também têm um capítulo reservado para os primeiros investimentos.

Achar valores e o modelo ideal para esses aportes iniciais sempre são questões bastante discutidas e é neste cenário que surge a opção das dívidas conversíveis (convertible notes), uma estrutura importada do sistema jurídico norte-americano, que vem sendo adotada em muitos casos de investimentos anjo em startups brasileiras, bem como por plataformas de investimento coletivo (equity crowdfunding).

Confira o vídeo abaixo e entenda melhor:

Vantagens das dívidas conversíveis

convertible-notesUma dívida conversível nada mais é do que um instrumento que permite ao investidor emprestar dinheiro para uma startup que está começando, com a possibilidade de converter essa dívida em participação na empresa futuramente. O investidor assume o risco inicial do negócio por acreditar na proposta, mas, em contrapartida e por motivos óbvios, sente a necessidade de se resguardar.

Como, normalmente, o empreendedor acabou de abrir empresa, o negócio está no início e é uma aposta. Por consequência, é impossível ter certeza se vai dar certo. Para o investidor ser blindado é sugerido o modelo de S/A (Sociedade Anônima) ou a contratação de um seguro de responsabilidade civil, conhecido como D&O (Directors and Officers Liability Insurance), o que faz com que o capital fique mais caro.

Caso aconteça algum problema com a startup e o negócio não vá pra frente, o investidor não participa do capital, estando mais protegido, já que a dívida não tem ligação com a empresa. Além do que, via dívida conversível, há ainda a possibilidade de que se estabeleça um plano de restituição do valor para o investidor em prestações em caso de não conversão. Do ponto de vista da empresa, o modelo também pode ser encarado como uma opção bastante interessante no aspecto tributário.

Acesse Conube e saiba mais!

Mestre e Graduado em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP, com mais de 10 anos de experiência na área contábil.

Comments 1