Conube

Conube


dezembro 2018
D S T Q Q S S
« nov.    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Categorias


A importância da análise financeira na gestão da empresa

Por Kelvin Claudino *

Kelvin ClaudinoKelvin Claudino

Você sabe como é importante fazer uma análise financeira de sua empresa? Ou como ter dados financeiros confiáveis te ajuda na tomada de decisão? Ou ainda como sua contabilidade é importante neste aspecto?

Se sua resposta for “não”, você não precisa se preocupar. A maior parte das pessoas no Brasil não usa o processo de análise financeira. Às vezes por falta de conhecimento da existência desse processo ou por não saber sua real importância para a tomada de decisão de uma empresa.

Mas a análise financeira é um processo muito útil para que você possa alavancar a sua empresa, atraindo mais clientes e investidores. Interessado no assunto? Continue lendo e conheça a importância da análise financeira em sua empresa e como sua contabilidade pode te ajudar!

Conceito de análise financeira

A análise financeira, conhecida também como análise econômica, é o estudo da capacidade de geração lucro de uma empresa. Esta é também uma maneira de medir seu desenvolvimento. Através dela, encontramos métodos que nos permitem avaliar a situação financeira do negócio. O objetivo é determinar o seu desempenho para o melhor uso dos seus recursos.

Podemos, assim, mensurar a capacidade da empresa na geração de lucro através de indicadores. Os mesmos que nos ajudarão a ver o seu real desempenho. Só assim saberemos se as finanças da empresa estarão positivas ou negativas, nos auxiliando na tomada de decisão de curto, médio e longo prazos.

A importância da análise financeira

Análise Financeira na gestão de empresas

Notamos hoje que muitas empresas vêm tendo dificuldades para conseguir impor seus negócios. Estas situações podem ser causadas por diversas razões. Alguns exemplos são: problemas internos da própria instituição, concorrentes ou qualquer outra que venha decorrente da situação econômica momentânea do país. Alguns dos motivos que provocam a queda de rendimento ou de geração de lucro de uma empresa são a má administração, falta de experiência e planejamento, descontrole de fluxo de caixa, falta de capital de giro, entre outros.

Para ser um bom gestor da empresa é imprescindível que ele identifique sua situação financeira. Desta forma, ganha-se mais facilidade e autonomia na hora da tomada de decisão em um curto espaço de tempo. No entanto, é preciso identificar a sua capacidade de deixar as contas em dia, analisar os seus resultados. Assim, será possível identificar os problemas existentes na economia da entidade.

É de extrema importância que você deixe seus dados contábeis atualizados. Um bom contador pode te ajudar neste aspecto, pois as demonstrações contábeis, bem como todos dados e informações fornecidos pela contabilidade o ajudarão a identificar eventuais problemas na gestão financeira e então o auxiliarão na tomada de decisão futura e imediata da companhia.

Assim, com você fazendo a análise financeira, vendo os pontos positivos e negativos da economia da empresa, poderá desenvolver métodos para desenvolver o crescimento de sua empresa. Pois uma companhia que tem as finanças em dia passa uma boa imagem perante ao público. Ela passa a atrair mais clientes e até mesmo investidores, que assegurarão a saúde financeira da entidade.

Como consigo chegar ao equilíbrio financeiro?

Existem várias maneiras ou técnicas através das quais podemos compor a análise financeira de uma companhia. Mas existem pontos específicos que são simples e fáceis de avaliar.

Um gestor deve estar sempre de olho para melhorar suas economias e fazer o melhor uso dos recursos da instituição. Abaixo listamos alguns pontos nos quais você pode focar e diminuir os impactos de más escolhas passadas, avaliando sua capacidade de geração de lucros e sua estabilidade.

Custo fixo

Conhecido também como custos de estrutura, são aqueles que não alteram seu valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Neste caso, é essencial para a manutenção e a continuidade da empresa. O seu acompanhamento deve ser regular, ou seja, deve ser estudado sempre, minimizando o seu impacto. Exemplos de custos fixos: Segurança, Aluguéis de Equipamentos, Limpeza, entre outros.

Custo variável

Aqueles que variam de acordo com a produção, o volume produzido ou o volume de vendas, em um determinado período de tempo, influenciando diretamente os valores dos produtos. Exemplos de custos variáveis: matérias-primas, comissões de vendas, insumos, entre outros.

Lucro Operacional

Nada mais nada menos do que apuração dos lucros após deduzirmos todos os custos fixos e variáveis.

Margem de contribuição

Essa é a quantia em dinheiro que sobra da Receita que se obteve através das vendas após a retirada dos custos e despesas variáveis. Isso possibilita uma análise do ponto de equilíbrio e da lucratividade. Quanto maior a positividade deste índice, melhor será a saúde de sua empresa.

Preço de Vendas

Essa deve ser uma das primeiras avaliações que você deve ter. Os preços de seus produtos e serviços devem conter um segmento de ação estratégica, fazendo as considerações sobre os fatores de competitividade, visão do consumidor, posições frente aos concorrentes, lucratividade e a procura pelo produto ou serviço.

Faturamento

Saber o seu volume de vendas, conhecendo a procura por seus serviços e produtos, quanto e por quanto são vendidos.

Crescimento

Este equivale ao crescimento patrimonial de sua empresa, representado pela análise do patrimônio líquido, o crescimento dos volumes de faturamento e até mesmo o aumento da estrutura empresarial.

call-to-action_planejamento-tributario

Indicadores Econômicos

Os indicadores econômicos servem para que nós possamos ver como anda a saúde financeira da entidade. Através deles, são conhecidas comparações do desempenho durante certo período de tempo, avaliando a positividade das escolhas tomadas. Até mesmo mostrando erros eventuais, que ainda possam ser corrigidos e diminuindo seu impacto nas economias da instituição. Abaixo estão alguns indicadores que você deve estar sempre atento para melhorar o desempenho financeiro / econômico de sua empresa:

Índice de Rentabilidade e Lucratividade

Serve para demonstrar a relação do lucro operacional com as vendas. São medidas quantitativas, de cálculo simples. Relacionam as variáveis das demonstrações contábeis das empresas, principalmente do Balanço Patrimonial. Através deste índice, é possível conhecer a capacidade de analisar o lucro líquido de uma companhia.

Índice de Liquidez

Faz a avaliação de até quanto a empresa pode assumir com suas obrigações. É de extrema importância para que a administração possa dar a continuidade na instituição. As informações para o cálculo são retiradas do Balanço Patrimonial, que deve ser atualizado constantemente para que ocorra uma análise correta dos dados contábeis.

Índice de endividamento

Avalia o volume das dívidas com o capital da companhia. Através dele é possível acompanhar o quanto das movimentações da empresa utilizam de capital de terceiros ou são financiadas pelo próprio capital da companhia.

Índice de prazo médio de pagamento

Essa métrica tem por base o número médio de dias que a empresa demora até que possa pagar as suas dívidas ou obrigações com os fornecedores.

Índice de prazo médio de recebimento

Este é o número médio de dias que a instituição necessita aguardar até que receba o valor de suas vendas.

Como um contador poderá me ajudar?

Ter uma contabilidade boa te ajudará em vários aspectos. Existem duas entidades que podem falir sua empresa: uma delas é você mesmo e outra é seu contador. Ter a contabilidade ruim afeta diretamente na análise de dados de sua empresa. Assim, é crucial que a avaliação seja clara e certa. Pois só assim teremos a visão de como andam os lucros e prejuízos da empresa.

Existem várias análises que os contadores exercem, que auxiliam o comportamento adequado que a empresa deve seguir para caminhar para a sua estabilidade financeira. O bom contador poderá ajudar sua vida com as seguintes ações:

Entrega das Obrigações acessórias

Existem várias obrigações acessórias que sua empresa deve entregar durante o ano, que podem variar para cada tipo de empresa. Alguns exemplos são DAS, DASN, DIRF, entre muitas outras. Caso seu contador as entregue de forma errônea ou omita alguma, sua empresa irá ficar com pendências e isto influenciará na cobrança de multas e juros. Mas uma boa contabilidade pode tirar essa dor de cabeça de você.

Escrituração Contábil

Sua empresa deve ter uma escrituração contábil adequada. Seu Livro Diário deve estar sempre em dia, pois ele pode estar exposto ao cruzamento de informações perante a Receita Federal. Isso vai impactar na análise da Receita no seu fluxo de caixa. Assim eles irão conferir a origem para todos os gastos, estando declarados ou não.

A Receita Federal sabe quase com exatidão os gastos de seus sócios, bem como quais são os gastos no cartão de crédito, bens, saúde, entre outros. Também conhece os gastos da empresa com compras, salários, entre outros. Lembrando sempre que é de sua responsabilidade enviar as informações e dados adequados para o seu contador.

Fluxo de Caixa

É um instrumento que auxilia no controle financeiro. Esse recurso permite analisar e acompanhar as ações de movimentação da empresa, com uma relação de entradas (receitas) e saídas (despesas). Ele o ajudará na tomada de decisão e melhorará seu desempenho financeiro. O fluxo de caixa irá apoiá-lo principalmente no gerenciamento de gastos, controle financeiro e no processo de tomada de decisão. Somente um bom contador irá analisar seus dados financeiros e organizará de forma consistente, ao ponto que sua empresa chegue ao equilíbrio financeiro.

Emissão de Nota Fiscal (NF)

As empresas, tanto indústria, comércio ou serviços, precisam fazer a emissão de NF-e (Nota Fiscal Eletrônica). É crucial que você emita de forma correta para que não ocorram problemas com a Receita Federal. Assim é possível evitar riscos de que ao fazer o cruzamento de informações, se encontrem omissões que desencadeiam na fiscalização e na autuação da empresa.

Tributação correta

Escolher um regime tributário é muito importante para que sua empresa alcance o sucesso tão esperado. Uma escolha errada te trará um prejuízo significativo, te levando a pagar muitos tributos de forma inadequada, comprometendo a saúde financeira do seu negócio, até mesmo gerando problemas fiscais com a Receita.

Existem três tipos de regimes tributários que sua empresa pode optar: Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real. É indicado que um contador analise os dados e, com sua experiência, te auxilie a encontrar a melhor opção para seu negócio.

Ainda temos outros métodos de análise através de demonstrativos, nas quais um contador pode ser muito útil, ajudando a saúde financeira de sua empresa, como o Balanço Patrimonial, Demonstrativo de Resultado, entre outros.

Influência de dados corretos e confiáveis na empresa

Aprenda como fazer uma análise financeira no seu negócio

Geralmente não damos muita atenção aos dados da nossa empresa. Muitas vezes por falta de tempo ou até mesmo por um descuido. Porém ter dados confiáveis nos auxilia na análise das informações, principalmente as relacionadas a finanças, que são cruciais para determinar se nossas decisões foram positivas ou negativas, até mesmo ver se alguma ação passada gerou uma melhoria na economia da empresa. Assim podemos averiguar se houve fraudes ou erros. Vale lembrar que somente com dados confiáveis um contador poderá executar seu trabalho de forma adequada.

História da análise financeira

Hoje, apesar de muitas pessoas estarem desinformadas e não usarem os métodos para fazer a análise financeira, temos uma gama de estudos e técnicas que encontramos facilmente em livros, revistas e internet. Mas você sabe como a análise financeira surgiu? E como ela foi importante no passado? Iremos falar um pouco sobre isso e sobre como ela evoluiu até os dias atuais. Pois só assim podemos ter uma noção aprofundada deste método.

Segundo o historiador Marion (2002), a história da evolução da análise financeira iniciou-se, mais ou menos, por volta de 4000 a.C. Em sua forma primitiva encontram-se os primeiros inventários de rebanhos e a preocupação com sua eventual perda. Nesta época as pessoas não tinham uma noção de cálculo tão avançada como a que temos hoje, nem mesmo moeda para avaliar suas mercadorias. Existia a troca e os negócios eram feitos através da avaliação dos próprios negociantes.

Sendo assim esta seria um tipo de análise horizontal, pouco semelhante a que hoje chamamos de balanço, onde acompanhamos a variação de período a período de um item. Sendo assim, eram apenas valores relativos, uma vez que as quantidades não representavam grandezas equivalentes.

Evolução para os dias atuais

Mas no final do século XIX, surgiu o termo análise de balanço, onde os banqueiros solicitavam as demonstrações às empresas que desejam pedir empréstimos.

Com o tempo, começaram a existir outras demonstrações para análise e concessão de crédito, com a demonstração do resultado do exercício, desenvolvendo-se nos Estados Unidos em 1915, se tornando obrigatória dentro dos sistemas bancários.

Depois de certo tempo as empresas fizeram uma abertura de capital, possibilitando a participação de pequenos e grandes investidores como acionistas, havendo assim a necessidade dos gestores fazerem a avaliação da eficiência administrativa e o desempenho de seus concorrentes. Desta forma, foi possível entender assim a situação financeira das empresas, consolidando a necessidade da análise das demonstrações contábeis.

cta_migracao_de_empresa

E então, entendeu um pouco mais sobre a importância da análise financeira para uma empresa? Deixe seus comentários!




Técnico em Contabilidade e auxiliar de Informática pela Etec de Embu da Artes, Kelvin integra a equipe de Sucesso do Cliente da Conube Contabilidade Online.